+7 destinos mais baratos para viajar na Europa

Procurando uma viagem que cabe no seu bolso?

A nossa vontade de viajar é – infelizmente – bem desproporcional com o saldo da nossa conta bancária.

Mas não desanime! Tudo é possível e o Velho Mundo tem sempre muito a oferecer como cultura, gastronomia e aventuras, que de um jeitinho ou de outro, vão se ajustar ao seu orçamento e também te surpreender. Alguns destinos europeus não são tão famosos como Paris e Londres, mas possuem preços mais amigos, alguns 3 vezes a mais, alguns 5 vezes a mais, permitindo comer melhor, ficar mais dias e até render memórias de viagens melhores.

Depois de conferir a lista a seguir e escolher o próximo destino das suas férias, leia as dicas de como comprar passagens mais baratas aqui. 
Ah, e se você procura uma opção de acomodação com custo menor, que tal uma experiência num Airbnb? Clique aqui para obter seu cupom de desconto na primeira reserva.  

Polônia

city lights night buildings
Foto por Skitterphoto em Pexels.com

A Polônia sempre foi um destinos preferidos para mochileiros por causa dos preços mais baixos. No site Expatistan, dá para comparar os valores de alimentação com Londres, por exemplo, que em média sai o dobro do que na Cracóvia ou Varsóvia. Mas claro, não é só pelo custo da viagem que vale a pena conhecer a Polônia. Gdánsk e Poznań são só algumas das cidades charmosas que têm muito a oferecer.


Sofia, Bulgária

bulgaria_sofia_alexander_nevski_cathedral_panorama_istock_000025118398large

A Bulgária é um dos países mais antigos da Europa, produz 80% de todo o óleo de rosas do mundo e há várias lojas com boa variedade de perfumes e cosméticos, um dos vários atrativos de conhecer o país. Com um grande charme medieval e preços menores do que a maioria da Europa Central, a capital Sofia tem tudo para ser seu próximo destino.

>> LEIA AS DICAS AQUI <<



Romênia

peles-482667_1280
A primeira coisa que passa pela sua cabeça quando se lembra da Romênia é o famoso Conde Drácula. Existem vários castelos magnificos para visitar pelo país, mas quem prefere fazer um tour menos macabro, Bucareste é a pedida. A cidade possui grandes construções como o Parlamento Romeno e também um parque aquático termal que é simplesmente imperdível, o Therme.



Budapeste, Hungria

building near body of water
Foto por Dominika Gregušová em Pexels.com


Cidade mais populosa da Hungria e uma mais visitadas da Europa, Budapeste  recebe cerca de 5 milhões de turistas por ano. Apelidada de “Pérola do Danúbio”, se localiza na margem do rio de mesmo nome que corta a cidade de norte a sul.

>> LEIA AS DICAS AQUI <<



Letônia

latvia-3725546_1280
Dificilmente você se imaginou indo para a Letônia. Mas saiba que o país quase escondido no leste europeu tem grandes atrativos turísticos como as praias em 
Liepaja e cidades históricas, como a capital Riga, que é também Patrimônio Mundial da UNESCO.



Croácia 

plitvice-1031159_1280.jpg
A Croácia é um país pequeno, mas tem de tudo um pouco, desde cidades cosmopolitas à paisagens paradisíacas. Planejando bem sua viagem, é possível desbravar do norte ao sul, de Zagreb até Dubrovnik, sem precisar torrar todas as suas economias. A melhor época para visitar é durante os meses de verão (Junho à Setembro), quando dá para aproveitar as maravilhosas praias croatas.


Belfast, Irlanda do Norte

JDJ5JDEwJFpXOGN5LnJOMVhETFh5eEtTSkdMdC5vUkRWS3A5U1VRV08uTXZzcU84dmJZSGdXbDE3N1lp_480x270
Foto: Visit Belfast

Por aqui, infelizmente é comum esquecer que a Irlanda do Norte faz parte do Reino Unido. Acredite se quiser, mas alguns ingleses nem sabem que a moeda é também a libra (£). O lado bom é que, diferente de Londres, Belfast é bem mais em conta, inclusive se você pretende morar ou estudar por lá (leia mais aqui). O restante do país é belíssimo – prova disso são algumas cenas da série Game of Thrones.


Bônus: Marrakesh, Marrocos

O país fica na África, mas tem voos diários saindo de várias partes da Europa, principalmente do sul da Espanha, já que leva cerca de 1h30. É uma grande oportunidade de adicionar uma cidade completamente diferente do padrão europeu nas suas férias. Fez, Rabat e Agadir são outras cidades que possuem voos operado por cias. low-cost. com preços a partir de R$100, ida e volta.

architecture-3273932_1280.jpg

 

Como encontrar passagens aéreas mais baratas?

Será que existe uma poção mágica ou uma parte secreta na web que esconde passagens baratas?

Você quer explorar as maravilhas do mundo, simplesmente marcar as férias atrasadas ou fugir por um tempo, mas engaveta os sonhos de viagens por causa de dinheiro?

Infelizmente, não adianta digitar no Google “passagens baratinhas” ou “viagens sem grana”. A verdade é que não existem passagens baratas e sim menos caras. Viajar de avião não é barato como comer coxinha (que aliás também tá ficando bem caro!).

A verdade é que não existe uma poção mágica ou uma parte secreta na web para milagres & turismo. Se você quer viajar, torne isso uma prioridade. Guardar um pouquinho de dinheiro, talvez deixar de comprar um outro celular ou uma TV nova. Comece com o que você pode pagar. Uma etiqueta de bagagem. Uma mochila. Um cachecol. Uma mala de rodinhas parcelada. Até juntar dinheiro, você já vai ter tudo o que precisa, além de um itinerário pronto (principalmente se você já segue o blog heheh).

Claro, existem algumas dicas e promoções – mas não feitiço. Viajar vai custar dinheiro, mesmo se você trocar trabalho por hospedagem em hostel. Precisa de grana para comer, se divertir, seguro viagem, roupa, shampoo, etc. Mas não desanime. Todo mundo pode realizar seu sonho de viajar para o exterior. É preciso ter foco e conferir alguns sites de vez em quando.

Sky Scanner
Para falar a verdade, eu uso o SkyScanner há tanto tempo que nem lembro mais como era minha vida antes sem esse site. Ele é a melhor forma de encontrar a passagem mais barata e com uma flexibilidade tanto de datas quanto de destino.

Captura de Tela 2018-11-08 às 22.31.02.png

Conforme a imagem acima, você seleciona sua origem de partida e seu destino. Para mostrar mais opções, você pode tanto colocar apenas o nome da cidade e não do aeroporto especificamente quanto “Qualquer lugar”, o que é uma boa forma de ver por onde é mais barato entrar pela Europa, por exemplo. Afinal, Londres tem os aeroportos com as taxas mais caras, então às vezes vale a pena entrar por Madrid ou Paris, seja por conexão ou parada. Outra ferramenta ótima do Sky Scanner, é que você pode escolher ver os voos de um mês inteiro ou do mês mais barato. No resultado abaixo, é possível ver os valores de cada dia – se você pode viajar uns dias antes ou depois, é uma maneira de economizar.

Captura de Tela 2018-11-08 às 22.37.21

Na próxima página, você vai visualizar todas as opções de voos, do mais barato para o mais caro – além de várias opções de cias. aéreas e horários. 

airport-690556_1280

Melhores Destinos
O site aborda artigos sobre viagens e milhas, mas principalmente notícias de promoções de hotéis e passagens aéreas para o mundo todo. Eles também possuem aplicativo e até mesmo um ranking feito pelos leitores em que eles avaliam todas as companhias aéreas nacionais e internacionais que voam para o Brasil. Não deixe de seguir o twitter ou a página no Facebook dos Melhores Destinos para não perder nadinha.

Captura de Tela 2018-11-08 às 22.48.59.png

 

Newsletter das Cias Aéreas
Sites como Decolar e afins raramente oferecem um bom negócio em passagens. Muitas vezes é apenas enganação porque eles cobram uma taxa de serviço assim como agências de viagem e no fim, acaba saindo até mais caro. Por isso, a melhor forma além de conferir o Sky Scanner, é entrar no próprio site das cias. aéreas ou assinar a newsletter e receber promoções pelo e-mail. Lembre-se: juntar milhas e fazer parte do clube fidelidade ajuda, mas nem sempre garante o melhor custo-benefício. Então, tente guardar seu limite  no cartão para comprinhas lá fora.
baggage-hall-775540_1280

 

 

 

Onde fazer compras em Barcelona, Espanha

Dicas de lojas de departamento, shoppings e outlets!

El Corte Inglés 
Nos vários andares da El Corte Inglês estão dispostos quiosques de cosméticos da Chanel, Armani, Lâncome, MAC, Shiseido, Givenchy, Bobbi Brown, além de roupas, eletrônicos, livros, alimentos e itens cama, mesa e banho!

large_large_plaza_catalunya2

Camper
A marca não segue tendências. Nos anos 80 ganhou fama com seus pares que tinham diferentes estampas em cada pé. Seus calçados simples, originais, confortáveis, duráveis são adorados. É uma moda que não segue moda.

Sephora
A Sephora é famosíssima por apresentar uma gigante variedade em cosméticos. Além de marcas como Bourjois, Yves Saint Laurent, Benefit entre outras, lá você encontra maquiagem própria da Sephora. Tem pincel profissional, gloss, batom, pó finalizador e muito mais. O bacana é que você pode experimentar todos os produtos – inclusive os perfumes – antes de comprá-los.

Se for passar a virada do ano na Espanha, não se apresse tanto para comprar tudo antes do dia 31. Depois do ano novo acontecem as “Rebajas”, liquidações em todas as lojas da cidade, como uma queima de estoque.


Heron City
Descendo na estação Fabra I Puig, dá para chegar rapidinho no outlet Heron City. Localizado atrás do Parc Esportiu Can Dragó na Passeig Audrei Nin, tem marcas como Diesel e Mango com até 70% de desconto. O outlet tem marcas como Diesel e Mango com até 70% de desconto. Uol Viagem, FeMatsu.wordpress.com STB 9/2/11 9/4/12 41.435681 2.180293

La Roca Village
Um pouco mais afastado do centro de Barcelona, fica o paradisíaco outlet La Roca Village. Os preços das roupas de grife são ótimos! Dá para fazer boas compras sem gastar muito e colocar na sacola sapatos da Camper, bolsas Valentino, jeans Diesel, lingerie La Perla, cachecol da Burberry e muito mais!

Custo Barcelona
A grife é usada por celebridades no tapete vermelho e também por anônimos que desfilam nas ruas de Barcelona. As roupas são sempre coloridas, criativas e não passam despercebidas pelo seu estilo e design. Fica perto das estações Jaume I e Liceu.

Pedralbes Centre
http://www.pedralbescentre.com/ $$ Pedralbes Centre é um shopping que você encontra lojas das maiores marcas da cidade e uma área gastronômica com bons restaurantes. Mas além disso, possui exposições artísticas, atividades para crianças, eventos de moda e durante o inverno, a praça central vira uma pista de gelo!

La Galería de Santa María Novella
Uma das mais antigas e luxuosas farmácias do mundo, La Galería de Santa María Novella tem perfumes e sabonetes de aromas incríveis. As embalagens possuem o mesmo estilo desde o século 18. Apesar de ser um pouco cara, vale a pena trazer pelo menos um presentinho para sua a família no Brasil.

Em algumas cidades do interior da Espanha, é comum encontrar vários comércios fechados no horário de almoço, devido ao hábito de fazer a sesta após a refeição. Muitos comerciantes dormem até às 14 horas.

Maremagnum
http://www.maremagnum.es $
O Maremagnum é um shopping que fica numa plataforma que “flutua” sob o mar.  Vale a pena conferir pela sua localização e arquitetura super moderna, mesmo quem não queira se perder fazendo compras.

 

Um paraíso chamado Malta

Cultura, história e praias maravilhosas: Malta é o destino perfeito para sua próxima viagem

“A Europa não tem praias bonitas” é um mito que não deve ser protegido. O continente europeu tem praias fantásticas seja com areia ou pedrinhas. Espanha e Portugal podem ser países campeões com o maior número de praias incríveis, mas a pequena Malta entra na lista com seu litoral de 197 quilômetros de extensão e diversos lugares paradisíacos.

E sabe o que mais? A ilha possui duas línguas oficiais, o maltês e o inglês. Com isso muitos estudantes acabam escolhendo Malta como destino de intercâmbio. Ah, os preços também são mais atrativos comparados à cidades como Londres e Dublin, por exemplo.

O idioma maltês resultou da fusão do árabe norte-africano e do dialeto siciliano do italiano e é a única língua semítica oficialmente escrita em latim. O siciliano era a língua oficial e cultural de Malta do século XII, e o dialeto toscano do italiano do século XVI.

15362697725_b02c40eb2d_h
Foto: Oslo_Lego

Malta é um arquipélago no Mediterrâneo central entre a Sicília e a costa norte-africana. Apesar de pequena, tem uma posição estratégica e por isso teve uma história turbulenta em que praticamente todo mundo passou por lá: romanos, mouros, cavaleiros de Saint John, franceses e britânicos. Durante a Segunda Guerra Mundial seu papel como base para as Potências Aliadas foi essencial, porém no final foi devastada após ter sido fortemente bombardeada por aviões alemães e italianos.

Como resultado, o país e seu povo são moldados em várias culturas estrangeiras e costumam ser hospitaleiros com os turistas. A população de Malta é composta quase inteiramente de descendentes de antigos cartagineses e fenícios, além de italianos e outros povos do Mediterrâneo. E além de ser rica em cultura e história, Malta esbanja natureza. Para explorar a ilha, o ideal é ficar pelo menos quatro dias inteiros. Assim, você visitar com calma os pontos turísticos na capital Valetta (incluída na lista do Património Mundial de Malta pela UNESCO) ou explorar a antiga capital, Mdina (onde foram filmadas cenas de Westeros em Game of Thrones). Aproveite que pertinho de Mdina, fica Rabat, cidade com forte influência árabe.

 

O clima de Malta é tipicamente mediterrâneo. O verão é geralmente bem quente e seco, com temperaturas elevadas que podem chegar acima dos 40 graus.

Há muitas opções de acomodações e talvez seja difícil escolher a localização ideal. A vantagem é que o transporte de Malta é surpreendentemente eficiente. Os ônibus abrangem boa parte da ilha e há balsas que conectam uma parte à outra. Por isso, a maioria prefere se hospedar em Valetta para ficar perto do agito, mas com conforto pela maior variedade de restaurantes e lojas. Em 30 minutos um barco te leva até St. Julians, região bem baladada assim como Paceville ou Sliema (parte mais tranquila mas com boa vida noturna).

Mas seja onde ficar hospedado, reserve um dia inteiro para ir até a Blue Lagoon. Sem a menor dúvida o lugar mais lindo de Malta. A lagoa é uma deslumbrante piscina natural com água praticamente transparente e temperatura bem agradável. Descrever esse lugar é impossível, só vendo com os próprios olhos. Para chegar até lá, apenas de barco. A Blue Lagoon fica em Comino, uma das sete ilhas de Malta (apenas Comino, Malta e Gozo são habitadas e recebem turistas).

32484049615_1b566071d5_o
Foto: Munea Viajes

Os corajosos vão querer dar vários mergulhos na St. Peter’s Pool. Se esse fofíssimo Jack Russel consegue, você também consegue (clique aqui para ver o vídeo)!

peters-pool-429188
Foto: My Guide Malta

Eleita uma das praias mais bonitas de Malta, Paradise Bay tem uma fixa de areia de verdade e água transparente.

the-paradise-bay.jpg
Foto: Malta.com

 

Quer mais dicas?
Siga o https://instagram.com/ericanopolis

Curta a Página do Blog no Facebook
https://www.facebook.com/ericanopolis

Budapeste, a ‘Pérola do Danúbio’

Descubra o que fazer e onde comer na incrível capital da Hungria

O leste europeu às vezes é meio esquecido ou menosprezado por alguns turistas. Boa parte prefere se aventurar em cidades mais famosas como Paris. Quem gosta de sair da zona de conforto turística e se aventurar pelas cidades leste europeias sabe que elas não deixam nem um pouco a desejar.

Cidade mais populosa da Hungria, Budapeste é uma das cidades mais visitadas da Europa e recebe cerca de 5 milhões de turistas por ano. Apelidada de “Pérola do Danúbio”, se localiza na margem do rio de mesmo nome que corta a cidade de norte a sul.

Hospedagem

dcca4469-ffbe-4066-9fc6-61c8263ccbb7

Há uma grande oferta de hotéis na cidade, mas vale a pena procurar apartamento para alugar no Airbnb, os preços são bem mais em conta! Quando fomos, pagamos cerca de £25 por noite para um apartamento inteirinho (foto acima). Se você ainda nunca usou o Airbnb, pode clicar aqui para ganhar desconto na primeira reserva e criar seu perfil.

business-1531402_960_720
Reprodução

Dá para visitar os pontos turísticos com calma e sem tanta fila, descobrir um lado da História que você não conhecia e explorar o lado descolado e os inusitados bares em ruínas.

A melhor época para ir é na Primavera com temperaturas mais amenas. O verão é bem quente e pode chegar a mais de 35ºC, já durante o inverno as temperaturas são congelantes e beiram -10º,-15ºC.

hungary-1896330_960_720.jpg

Castelo de Buda – O rio Danúbio divide a cidade em dois – um lado se chama Buda e o outro, Peste. O Castelo de Buda fica no alto da montanha, você pode encarar a subida pela longa escadaria ou simplesmente optar pelo funicular – o segundo mais antigo do mundo, construído em 1870.

Basílica de Santo Estêvão – Maior igreja de Budapeste, é dedicada ao primeiro rei da Hungria, Estêvão. A entrada é gratuita, mas recomenda-se doações de pelo menos um euro/uma libra (ou 200 HUF). Não pode entrar com joelhos ou ombros descobertos.
Seg – Sex: 09h- 17h, Sáb: 09h-13h, Sun: 13h – 17h

Dica: Alguns câmbios não possuem o Forint, a moeda húngara. Tente sacar dinheiro diretamente nos caixas eletrônicos, mas em locais seguros. Evite a Rede EuroNet (a taxa e a tarifas são altas).

Bastião dos Pescadores – Chamado de Halászbástya ou  Fisherman’s Bastion, foi construído entre 1895 e 1902 e era protegido por pescadores caso o exército mongol voltasse novamente (como fizeram em 1240-1241). Hoje é conhecido pela sua arquitetura romântica, pois parece ter saído de um contos de fadas.

Parlamento HúngaroO edifício foi projetado e construído em estilo neogótico e é um dos maiores edifícios da Hungria. É possível fazer um tour guiado para conhecer por dentro. Dica: para uma vista perfeita, o ideal é atravessar a ponte para ver o Parlamento em toda sua glória do outro lado do Danúbio.

IMG_0269.JPG

Museu Nacional Húngaro – O Museu Nacional Húngaro é o lar de milhares de exposições que detalham a história, a arte, a religião e a arqueologia do país, incluindo exposições de áreas que agora não fazem mais parte do território da Hungria.

Bairro Judeu – A região do bairro Judeu é a parte descolado da cidade. Cheia de grafites e os amados “pubs em ruínas”, instalados em prédios abandonados e desertos. Essa “arquitetura” toda compõe o charme dos bares. Para #bonsdrinks, Instant, Fogas Ház, Kuplung e Szimpla são algumas das opções.

Spas – A cidade é famosa pelos suas águas termais e temperaturas entre 30ºC; ricas em sulfatos, cálcio, magnésio, bicarbonato e flúor, que ajudam pacientes com doenças articulares degenerativas e outros problemas médicos. Os spas mais conhecidos são Széchenyi e o do hotel Gellert que sofreu danos durante a Segunda Guerra Mundial, mas passou por uma renovação em 2008 para trazer os banhos de volta.

bathing-1272587_960_720

Dica: Nem tudo mundo fala inglês em Budapeste. Melhor preparar o aplicativo do Google Tradutor no celular.

gastronomia de Budapeste é bem variada e dá muito bem para se aventurar na culinária local. Tanto que existe um tour gastronômico para experimentar um pouquinho de da cozinha húngara. Além desse, há o tradicional free walking tour, em que o guia te conta sobre os principais locais e fatos históricos da cidade e você dá uma gorjeta no final. Outro que vale a pena para entender Budapeste é o tour sobre comunismo e sobre o bairro judeu. Pelo TripAdvisor, você encontra uma seleção com todos os grupos e empresas que proporcionam esses e outros tours, clique aqui.

Lángos, espécie de pizza frita com (normalmente frio) recheio em cima, é uma das típicas comidinhas de rua, facilmente encontradas em simples barraquinhas espalhadas pela cidade.

IMG_0354

Mas se quiser começar primeiro pela sobremesa, One Million Shake Bar oferece dezenas de opções de milkshake. E talvez para finalizar a noite, siga para o Ötkert, bar que além de servir comida, possui DJs, bandas ao vivo e pista de dança. Ah, um dos lugares que deve entrar na sua lista é o Ahoy! Chocolate & Lemonade bar, pois se tem algo que Budapeste sabe fazer é limonada.

IMG_0189

As limonadas não são nada simples, levam frutas frescas como grapefruit, framboesa, limão siciliano, morangos e até lavanda; as escolhas são infinitas e sempre maravilhosas. Além disso, são servidas nada mais nada menos do que num pequeno balde! O chocolate quente também é ótimo, feito com chocolate da Bavaria. Mas talvez você vá achar a versão fria mais saborosa. Quando você for embora de Budapeste ou quando lembrar de sua viagem, vai ser com muita saudade das incríveis limonadas húngaras.

Algumas cidades são superestimadas. Sabe como você chega naquele cartão-postal e pensa “ah, é isso?”. Já Budapeste, uma coitadinha menosprezada, vai te surpreender e vai te fazer voltar.

 

As várias identidades de Amsterdam

Amsterdam é isso, aquilo e muito mais.

Amsterdam tem um pouco de tudo. As ruas nada secretas do bairro vermelho, o cheiro típico de liberdade de algumas esquinas, a beleza dos canais, as bicicletas que disparam de todos os cantos, o charme das casinhas e janelas altas, os tons das tulipas. Amsterdam é isso, aquilo e muito mais. A cidade é feita para aqueles que procuram aventuras psicodélicas ou românticas. É feita para carros, pedestres, barcos, ciclistas, sonhadores. É feita com pedacinhos do mundo. Todas essas partes perdidas de cada bairro constroem uma cidade única que jamais perde sua(s) identidade(s) e recebe cada vez mais turistas.


A cidade holandesa é pequena comparada à outras europeias, mas ainda sim há muito o que explorar

Museu do Van Gogh
www.vangoghmuseum.nl
O conteúdo do acervo deste museu foi reunido pelo irmão de Van Gogh, Theo, que juntou 200 obras, 500 desenhos, além de cartas escritas pelo artista. Na exposição, está exibido o famoso quadro “Quarto de Van Gogh em Arles”, de 1888.  

Vondelpark
Nove entre dez habitantes de Amsterdam visitam esse parque pelo menos uma vez ao ano. O local é extremamente prazeroso, devendo ser explorado e apreciado quantas vezes for necessário. Faça um passeio com calma, curtindo a natureza – você vai perceber um novo detalhe encantador a cada nova caminhada pelo parque. O espaço verde abriga um bar, uma casa de chá, um museu, um teatro a céu aberto e algumas estátuas como a “Figure découpée” de Pablo Picasso. Durante o inverno, é possível patinar nos lagos congelados.

amsterdam-1912708_960_720.jpg

Casa da Anne Frank
www.annefrank.org‎
Durante a Segunda Guerra Mundial, Anne Frank, sua família e os Van Daan ficaram escondidos por anos nesta casa, hoje aberta a visitação. Seu diário, publicado em 1947,  ficou famoso no mundo todo por revelar sua comovente história.  

Red Light District
A cidade que era apenas um vilarejo de pescadores tornou-se um dos principais portos comerciais no norte da Europa. Foi então que, durante o século XIII, Amsterdam emergiu também como a cidade da prostituição. O Red Light District (Bairro da Luz Vermelha) ainda é uma das maiores atrações turísticas e concentra bordéis, boates, sex shops e “vitrines” de garotas até hoje.  Durante o dia você pode curtir a atmosfera agradável de lojas, bares, restaurantes e cafés.  

Albert Cuypmarkt
www.albertcuypmarkt.com
O Pijp é um antigo bairro da cidade, originalmente habitado pela classe operária que trabalhava na cervejaria da Heineken. Atualmente, a região é conhecida pela sua multicultura, boemia e o tradicional Albert Cuypmarkt. Este mercado a céu aberto é um dos maiores de toda a Europa, são cerca de trezentas barraquinhas dispondo dos mais variados artigos – desde perucas coloridas à alimentos e produtos de limpeza.  

Você sabia? A capital da Holanda é Amsterdam, mas a sede do governo e as embaixadas localizam-se na cidade de Haia.   

Rijksmuseum
http://www.rijksmuseum.nl
O Rijksmuseum é um dos melhores museus da Holanda. Há várias relíquias em exposição do artista Rembrandt, inclusive a famosa obra “Ronda Noturna” do século XVII. O espaço é imenso e uma visita não será o suficiente para apreciar as alas destinadas à história holandesa, arte asiática e de esculturas. Portanto, programe-se!  

rijksmuseum-2127625_960_720.jpg


Museum Het Rembrandthuis
http://www.rembrandthuis.nl
Nada mais histórico e adequado do que abrigar as grandes obras de Rembrandt na casa em que o artista trabalhou em suas pinturas, desenhos e gravuras e que também lecionou entre 1639 e 1656. O interessante, que além ver as exposições do museu, você conhece também o lar que habitou com sua esposa Saskia.  

Haarlem
O bairro de Haarlem é praticamente a capital de Amsterdam, onde tudo acontece. A prefeitura (Stadhuis) situa-se na famosa e animada praça Grote Markt, próxima a medieval Amsterdamse Poort, porta de entrada da cidade construída em 1355. Há várias lojinhas, cafés, bares e restaurantes e museus na região. Divirta-se!  

Leidseplein
O local é um clichê turístico em Amsterdam. Mas isso não é negativo. A praça Leidsenplein é vibrante e ao seu redor você encontrar bares e restaurantes super bacanas. A sugestão de passeio para fazer por perto  é conhecer os canais de barco nos dias quentes. Já em dias maios frios, você pode arriscar patinar no gelo.    

Os holandeses fundaram a Nova Amsterdam em 1624, na América do Norte. Porém, após conflitos com os ingleses, decidiram trocar a região (que passou a chamar Nova York) por Suriname, país grande produtor de açúcar na época. Aliás, o Suriname foi colônia holandesa até os anos 70 e uma das suas línguas oficiais é o holandês. 

house-2678933_960_720

 

Compras

Kalverstraat
A rua mais famosa de Amsterdam não tem carros nem mesmo bicicletas passando por ela, pois é fechada para pedestres. Assim, fica muito tranquilo fazer um passeio por ela e apreciar as vitrines das dezenas de lojas de vão desde moda à utensílios domésticos.  

9 straatjes
Essa região é composta por nove ruazinhas (da 9 straatje) que valem um passeio. Lá você encontra várias lojas charmosas e bacanas de moda, arte, música e design.  

ArenA Boulevard
A ArenA Boulevard fica localizada um pouco afastada do centro de Amsterdam, portanto para chegar lá você pode pegar um trem e descer na estação Bijlmer. O espaço concentra várias lojas de eletrônicos e esportes.

Pieter Cornelisz Hooftstraat 
Um das ruas mais elegantes de Amsterdam. Conhecida como PC Hooftstraat conta com várias lojas de grife como Bulgari, Chanel, Dolce & Gabanna, Louis Vuitton, porsches, BMWs e Mercedes estacionados e pessoas muito bem vestidas fazendo compras ou apenas um passeio.  

Hema
http://www.hema.nl
A Hema é um dos lugares em que você vai encontrar de tudo. Sim, tudo mesmo como pneus, roupas, utensílios domésticos e vinhos. Aqui você também encontra alimentos e pode fazer um lanche por um preço mais em conta.  

 

A Bélgica fez parte da Holanda até 1839, quando conseguiu conquistar sua independência  

 

Onde comer

stroopwafel-1162424_960_720
O Stroopwafel é a bolachinha feita com uma espécie de wafel e recheio de caramelo. Paixão dos holandeses e turistas, é saboreada como um ritual e para dar um sabor especial, o costume é colocar em cima da boca de uma xícara, para que ela derreta por dentro com o vapor do café. 


Albert Heijn 
A grande paixão dos holandeses e turistas é o Stroopwafel, uma bolachinha feita com uma espécie de wafel e recheio de caramelo. Você pode encher uma mala de viagem só com essa delícia sem ter que ir tão longe. A rede de supermercado Albert Heijn está espalhada por toda Amsterdam que, além desse doce incrível, oferece grande variedade de produtos para um lanche rápido com preços acessíveis.

Casa Bocage
A Casa Bocage é um mercado que vende delícias portuguesas como o famoso bacalhau e uma enorme variedade em vinhos, queijos e azeites. Há também uma lista de produtos brasileiros que inclui sucos, refrigerantes chocolates, balas e outras guloseimas.

Winkel 43
A Holanda possui doces são clássicos. A torta de maçã servida com “slagroom” (chantilly) ou sorvete é uma verdadeira tentação. Portanto, não ouse deixar de experimentá-la, mesmo que exija um pouquinho de paciência. A torta, acompanhada de uma xícara de café, costuma ser requisitada e o local vive cheio. 

Coffee Company
A Coffee Company é especialista em café. Lá você pode pedir um americano, um cappuccino ou um “espresso” com o grão bossanova, que é 100% brasileiro. Uma pedida mais refrescante é o “fruits frozen”, nos sabores morango com banana, manga ou banana com coco.


Febo
Quer comer num lugar barato, mas fugir de McDonald’’s? O Febo é uma rede de fast-food local, mas diferente das outras que você está acostumado. Nas paredes, você encontra forninhos e cada um dispõe de um lanche, como se fosse uma vitrine. Basta colocar o dinheiro na máquina, não há filas.

Moeders
Moeders significa “mães”. O restaurante prepara uma comida típica e o ambiente é decorado para deixar a impressão que você está fazendo a refeição na sua casa, preparada pela sua mãe. Há, inclusive, fotografias das mães dos clientes nas paredes.

Zwaantje
Um dos restaurantes preferidos dos turistas é o Zwaantje. O local é charmoso e tem pratos muito bem servidos. É bom ter um “segundo” estômago para as sobremesas, um espetáculo à parte.

La Place
Na Holanda, é meio raro encontrar lugares que servem sucos naturais e o La Place é uma dessas exceções. Os ingredientes deste restaurante self-service são frescos e há deliciosas opções vegetarianas, sanduíches e massas para matar a fome rapidinho.

Roteiro basicão de Londres

Um guia com os principais pontos turísticos da capital inglesa

Apesar do blog seguir uma linha diferente com dicas meio fora do óbvio turístico, nada me empolga mais do que viajantes de primeira viagem. Para mim, a primeira visita é a que possui mais encanto e magia. E como seria bom ter uma máquina do tempo para poder visitar Londres novamente pela primeira vez. Toda viagem tem seu lado bom e por que não viver Londres por milhares de primeiras vezes? Mesmo no seu vigésimo passeio pela cidade ainda tem bastante o que ver, conhecer, descobrir e experimentar, claro que talvez nunca terá exatamente o mesmo brilho da primeira vez. É a primeira viagem que abrimos nossos olhos para um mundo novo, arregalamos quando vemos o Parlamento pela primeira vez. Esse gostinho na nossa alma volta levemente quando ainda passa pela capital mais cool do mundo pela primeira vez. E até dá para sentir um pouco daquela agitaçao, emocao, piracao e paixao que tinhamos antes de pisar aqui pela primeira vez.

E se você nunca veio para Londres, marque logo sua passagem e venha explorar história, cultura e lugares mega descolados.

GUIA BÁSICO DE LONDRES
O que ver e fazer na cidade na sua primeira, segunda, terceira, (…) visita

Parlamento http://www.parliament.uk
Ao sair da estação de metrô de Westminster você será surpreendido pela torre que abriga o Big Ben! Em 1512, o Palácio de Westminster deixou de ser uma residência real devido a um incêndio. Desde então, passou a abrigar as Casas do Parlamento, chamadas de Câmara dos Lordes e dos Comuns, tornando-se um dos símbolos da arquitetura neogótica mundial. É também onde fica a torre do Big Ben, o sino de 14 toneladas do relógio mais famoso do mundo e um dos lugares mais fotografados de Londres.  Durante o verão, além de fazer um tour ($) pelo parlamento britânico, você também pode assistir a debates.

Buckingham Palace
Residência da família real desde 1837, foi aberta para visitação apenas em 1993. A visita interna ao Palácio deve ser agendada com antecedência, pelo telefone ou através da compra do ingresso no ticket office do Canada Gate do Green Park ($). A visitação interna é aberta apenas no verão, a partir do final de julho até setembro. Caso a visitação interna não esteja aberta, a visita à área externa do Palácio já vale a pena. Não perca também a troca da guarda, que acontece sempre em frente ao Palácio.

Abadia de Westminster  http://www.westminster-abbey.org $
Um dos mais gloriosos exemplos de arquitetura medieval é a Abadia de Westminster. Metade igreja, metade museu, possui desde uma impressionante coleção de monumentos e tumbas a grandes acontecimentos relacionados à nobreza nos séculos passados. O local foi cenário do casamento entre o Príncipe William e Catherine Middleton.

London Eye http://www.londoneye.com
Cartão postal da cidade, a roda gigante londrina proporciona a seus visitantes uma vista estonteante da cidade. Apesar da grande procura, as filas raramente passam de 30 minutos. A paisagem fica ainda mais bonita durante a noite, quando a cidade está toda iluminada. A vista no pôr-do-sol também é fantástica! Você ainda pode se dar ao luxo de desfrutar uma taça de champagne durante o ‘voo’ ou alugar uma cabine só para você.

Tower of London http://www.hrp.org.uk/toweroflondon
Com acesso pela estação de metrô Tower Hill, às margens do rio Thames, a Torre de Londres é outro ícone londrino. Por 900 anos este ‘castelo’ foi a principal fortaleza da cidade e hoje  é onde estão guardadas as jóias da coroa. A fama de lugar mal-assombrado se deve às milhares de pessoas presas, inimigas da coroa que eram executadas, entre as quais, Ana Bolena, ex-esposa do rei Henrique VIII.

Tower Bridge http://www.towerbridge.org.uk
Desça na estação de metrô de Tower Hill, visite a Tower of London e depois caminhe até a Tower Bridge. Ela disputa com o Parlamento o ponto turístico mais famoso de Londres. Concluída em 1894, a ponte móvel se ergue para que navios continuem sua passagem pelo rio Thames. É possível visitar seu interior, mas prepare-se para uma longa subida!

Trafalgar Square www.london.gov.uk/trafalgarsquare
Com acesso pela estação de metro de Charring Cross, a Trafalgar Square é uma praça que celebra a vitória da Marinha Real Britânica na Batalha de Trafalgar de 1805 durante as Guerras Napoleônicas. Em seu centro, há uma coluna com a estátua do almirante Nelson em sua homenagem. À pé da Trafalgar Square está Picadilly Circus. Aproveite para fazer uma agradável e rápida caminhada até lá!

Downing Street http://www.number10.gov.uk
Mais de 50 primeiros-ministros passaram pela porta mais famosa do mundo, localizada no número 10 da Downing Street. Além de residência do primeiro-ministro, o local é o nervo central do governo britânico, onde acontecem reuniões decisivas para a política do Reino Unido.

Hyde Park  www.royalparks.gov.uk/Hyde-Park.aspx
Perca-se nos gramados do Hyde Park, a poucos minutos da tumultuada Oxford Street. Relaxe, caminhe, faça um piquenique ou apenas aprecie a paisagem e claro, os fofissímos esquilos, que estão por todos os lados. No verão, dá até para andar de bicicleta ou cavalgar. Um ótimo passeio é atravessar o parque da Oxford Street até a agradável região de Bayswater e Nothing Hill.

Kensington Palace http://www.hrp.org.uk/kensingtonpalace
Ao lado do Hyde Park fica o Kensington Garden, antigo jardim do Kensington Palace, abertos ao público em 1841. O palácio foi residência real da Princesa Diana até sua morte em 1997. Próximo dali, depois de visitar seus aposentos, tome um chá tipicamente inglês no famoso Orangery.

St. Paul’s Cathedral http://www.stpauls.co.uk
Cenário dos filmes Mary Poppins, Peter Pan e 101 Dálmatas, a St. Paul’s Cathedral é um dos pontos mais visitados de Londres. Foi lá que Lady Di e o Príncipe Charles se casaram e também onde foi realizado o velório da princesa no ano de sua morte, 1997. Papel importante na história da religião britânica, além de ter um belo design da época vitoriana, oferece uma vista espetacular do rio Thames – só se prepare para subir 530 degraus para desfrutá-la!

British Library
A British Library possui mais de 150 milhões de itens entre livros, revistas, jornais, gravações, mapas, manuscritos, selos, desenhos, etc., em diversos idiomas. Todo livro produzido no Reino Unido e na Irlanda possui uma cópia na biblioteca, inclusive obras estrangeiras. Sendo assim, são mais de três milhões de itens adicionados por ano!

Madame Tussauds http://www.madametussauds.com/london
Não deixe de conferir as réplicas perfeitas de personalidades no museu de cera Madame Tussauds. O museu reproduz um retrato de Londres através dos anos por meio de réplicas de figuras políticas e membros da realeza, contando também com figuras famosas como Amy Winehouse, Justin Timberlake, Barack Obama, Brad Pitt e Martin Luther King. Não esqueça a sua máquina fotográfica, afinal, não é todo dia que se encontra tantas celebridades juntas em um só lugar!

Abbey Road http://www.abbeyroad.com/visit/
Em 1969, a Abbey Road se tornou a rua mais conhecida do planeta por causa do álbum dos Beatles, que leva o mesmo nome. Milhares de fãs vão até lá atravessar a faixa de pedestre para tirar uma foto. Apesar da faixa de pedestres da capa do album ter sido removida de seu local original e levada poucos metros à frente, a visita continua sendo compromisso certo para os fãs da banda.

Portobello Road http://www.portobellomarket.org
Situada em Notting Hill, a Portobello Road é uma das centenas de ruas estreitas e longas da cidade, estendendo-se por mais de três quilômetros. O famoso Portobello Market acontece todos os dias da semana, sendo sábado o dia mais visitado devido à feira de antiguidades. A estação de metro mais próxima é Ladbroke Grove.

Camden Market
Um dos lugares mais alternativos e disputados de Londres. Sempre movimentado, está também cheio de presentes originais. Você pode ir de metrô, descendo na estação de Camden Town. Aos sábados a feira é ainda mais disputada. Lá você encontrará roupas, sapatos e acessórios ‘inusitados’, além de comidas tipicas e também inusitadas. A feira também funciona durante a semana para quem prefere um passeio mais tranquilo.

Green Park  www.royalparks.gov.uk/Green-Park.aspx
Você dificilmente vai perceber a fronteira entre todos os parques londrinos. Somente se olhar no mapa os espaços verdes, vai saber que os parques são independentes, apesar de interligados. A partir  Hyde Park ou do St. James Parque chega-se facilmente ao Green Park. Em dias ensolarados, você pode alugar uma cadeira por poucas libras e com sorte assistir a shows ao ar livre.

St. James Park www.royalparks.gov.uk/St-Jamess-Park.aspx
O Saint James Park era um dos parques preferidos de passeios da família real. Tem um belo lago e fica em frente do Palácio de Buckingham. Interligado com o Green Park e em seguida com o Hyde Park, vale um passeio em um dia ensolarado para relaxar!

Brick Lane www.visitbricklane.org
O melhor dia para visitar essa rua estreita, na região central de Londres, é domingo. Lá você encontra de tudo um pouco, desde móveis a brinquedos, restaurantes indianos a lanches orgânicos, pessoas com visual punk a hare krishna. Aos domingos a feira funciona geralmente das 8h às 14h.

Gherkin http://www.30stmaryaxe.com
O Gherkin é um arranha-céu extremamente moderno, que contrasta com o restante das construções clássicas de Londres. O edifício tem 180 metros de altura e é aberto para visitação apenas no mês de setembro. Para mais informações, acesse o site: http://www.openhouse.org.uk. Se estiver passando na hora de jantar, aventure-se no restaurante “40/30” – mas atenção: o preço por pessoa é bem salgado. Você pode fazer reserva para eventos fechados.

Borough Market www.boroughmarket.org.uk
Para encontrar alimentos fresquinhos, desça na estação London Bridge. Lá você encontrará o Barough Market que possui dezenas de barraquinhas com frutas, pães, queijos, petiscos, massas, verduras, pratos quentes, chocolates e outras variedades do mundo todo. Tente chegar cedo, entre às 10h e às 11h para evitar a multidão ou se preferir descontos, vá por volta das 15h. Próximo ao horário em que o mercado fecha é que começam as pechinchas.

Quer um roteiro personalizado? Entre em contato e solicite seu orçamento.

LEIA TAMBÉM

QUANTO CUSTA VIVER EM LONDRES?

TRANSPORTE EM LONDRES 

LONDRES, UMA AS CIDADES MAIS SOLITÁRIAS DO MUNDO